domingo, 10 de janeiro de 2016

A auto-destruição/humilhação da CAVEIRA, ou , a CAVEIRA tem razões que a propria razão desconhece......

ESCANINHO DE RECORDAÇÕES


No dia 03 de Junho de 2011, tombava na porta de sua residência, barbaramente assassinado por projetis oriundos de armas covardemente empunhadas por criminosos, os  quais combateu com desassombro ao longo de toda sua vida profissional,   o Cel PMERJ Francisco Sergio Rangel Gomes, o PRIMEIRO COLOCADO  ( 01 ), do PRIMEIRO COESP ( PRIMEIRO CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS) de nossa PM, o qual permitiu que o Núcleo que hoje é o BOPE, pudesse iniciar as Operações Especiais de Policia,  que o tornou respeitado em todo o mundo..

Seis dias após, sequenciando um encontro grave e reservado entre vários integrantes  do universo das Operações Especiais, os abaixo assinados formalizaram uma proposta ao Cmt Geral da Corporação, na forma abaixo:


Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro, 9 de Junho de 2011
Do : Ex Comandantes do BOPE
Ao :Ilmo Sr Comandante Geral da PMERJ




PROPOSTA




Os Oficiais que abaixo assinam, Cel Paulo Cezar Amendola de Souza, Cel Paulo Cezar Costa de Oliveira, Cel Wilton Soares Ribeiro, Cel Humberto Mauro Ramos de Oliveira, Cel Sergio Wolf Meinick, Cel Venâncio Alves de Moura, Cel Jose de Oliveira Penteado, Cel Fernando Principe Martins, Cel Edmilson de Abreu, Cel Alberto Pinheiro Neto e Ten Cel Paulo Henrique Azevedo de Moraes, apresentam a V Sª como proposta técnica , que doravante , o BOPE ( Batalhão de Operações Policiais Especiais), receba o nome formal de Cel PM FRANCISCO SERGIO RANGEL GOMES, falecido de maneira trágica  no dia 03 do corrente.

Certo do atendimento ao que acreditamos ser de legitimidade indiscutível, nos despedimos.

Atenciosamente



Assinaturas



Observações atuais:

1. Nenhum de nós tinha a minima dúvida que tal pretensão seria atendida;

2. Os proponentes estavam plenamente legalizados e legitimados para tal, todos tinham sido Comandantes do BOPE;

3. O  homenageado, além de encarnar a figura do ETERNO GUERREIRO, tinha como mérito o fato de ser o mais do que legitimado VERDADEIRO 01 ( ZERO  UM ), alcunha que sempre teve como origem os Cursos Especiais, e ele havia sido o 01 ( ZERO UM ) , do CURSO ZERO UM  ( COESP ZERO UM ), isto é, o Primeiro Colocado do Primeiro Curso  de Operações Especiais,  ministrado pela PMERJ, isso no ano de 1978;

4. O homenageado havia sido Comandante da CIOE ( Companhia Independente de Operações  Especiais), e posteriormente Comandante do BOPE,   além de exercer suas atividades nessas Unidades, inclusive no Nu/COE ( Núcleo da Cia de Operações Especiais) desde Tenente,  durante extenso  tempo de serviço. Cabe registrar também sua marcante participação  na elaboração do desenho da "manicaca" do Curso, símbolo respeitado em todo o mundo,  como Chefe do Turno de Alunos recém formados, do citado I COESP, os quais tiveram decidida participação na elaboração do símbolo da CAVEIRA. 




5.. Sua trágica morte havia sido em confronto armado com impiedosos criminosos;

6. O Cmt Geral era o Cel PM Mario Sergio e o Chefe do Estado Maior era o nosso estimado  Cel PM Alvaro, a quem entregamos a Proposta, em comitiva,  após protocolar na Secretaria do QG. Muito pesava, assim acreditávamos,  a favor da proposta,   o fato de serem ambos Caveiras e ambos contemporâneos em ambientes e épocas  sempre ligados ao Ossário,  do saudoso Cel Rangel.


Então,  em nossas humildes cabeças  Caveiras, era apenas questão de tempo. Justiça a ser  aplicada de forma líquida e certa.

Só que o tempo ganhou proporções  inimagináveis. Estamos em 2016 e a justa homenagem ainda não foi efetivada.
Por infinitas vezes tentou-se informações, e nada...., até que,  o tempo, sempre ele, se encarregou de sepultar a iniciativa que julgávamos legitima.


Lamentável, extremamente lamentável.

PS- Ainda temos fé,  que o espírito  da verdadeira Caveira ressurgirá das cinzas e em ato magnânimo de justiça , cravará em letras  de fogo, na augusta fachada do Palacio da Caveira :  BOPE- BATALHÃO CEL PM FRANCISCO SERGIO RANGEL GOMES ( Batalhão Cel  Rangel ).

Seellvvva !!!!.


4 comentários:

  1. Tive o privilégio de como Aspirante no BPCHQ ter o Ten Rangel como meu Oficial orientador, posso afirmar que meu Caráter Profissional foi lapidado por Rangel, que me convenceu a fazer o curso de Operações Especiais com ele, infelizmente fui operado de apendice, mas cursei por dois meses o segundo curso onde Rangel era instrutor e dos melhores, infelizmente quebrei o joelho, forçado que fui por um amiguinho, kkk, em pular do ranário até que meu joelho estourasse, é mentira sabino? " Meinick cê quebrou meu joelho. "...kkk fato este que mudou minha trajetória na PM, deixei de ser BOPEANO, mas amei ser CHOQUEANO, posso afirmar que nos 45 anos de Polícia conheci poucos Oficiais de sua Estirpe, a homenagem é mais do que justa só o recalque ou assuntos pessoais interfeririam na discordância da proposta, passo apartir daqui a conhecer o Palácio da caveira em Batalhão Coronel Rangel nome que doravante adotarei quando lembrar do BOPE.Seria ótimo que o grupo persistisse na idéia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado caro Orsini pela brilhante intervenção. Há esperança. O " Turno" persistirá. Seelvva !!!

      Excluir
  2. Infelizmente, constato que na atualidade pouco valor possui a tradição e o amor corporativo, talvez devido a interesses outros, políticos e até a falta de uma formação incompleta no tocante a valores morais, éticos e ligados a tradição. O próprio ex-CmtG Mario Sergio declarou que "antiquidade não é posto",colocando por terra um dos pilares da Corporação, deixando um sentimento de inicio de desmoronamento da Corporação. Rogo ao Criador que o atual e jovem Comandante volte o seu olhar ao tripé que sempre se acentou a estrutura da honrada e valorosa Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado caro amigo. Você tem toda razão Quanto mais nos afastamos de nossas origens, valores, tradições, princípios, crenças, mais o inimigo ganha terreno e tempo. Lamentável, extremamente lamentável.

      Excluir